Dicas de Saúde

A Huntington disponibiliza a você dicas gerais de saúde, tanto relacionadas à fertilidade quanto para garantir mais bem-estar e qualidade de vida.

Drogas e Medicamentos

O uso de drogas e de medicamentos pode contribuir com a infertilidade em homens e mulheres, com consequências irreversíveis. Dependendo da quantidade de tóxicos, como álcool e tabaco, o usuário pode apresentar problemas de fertilidade ou subfertilidade, desde alterações no ciclo menstrual nas mulheres à má formação de espermatozoides no homem. No entanto, os efeitos dessas drogas podem variar de organismo para organismo.

Medicamentos

Medicamentos para depressão e pressão alta, além dos anti-inflamatórios, oferecem riscos aos pacientes, indo além da perda da libido. Eles podem reduzir a quantidade de espermatozoides e gerar problemas de ereção.

Álcool

O consumo em excesso e regularmente pode causar desequilíbrio hormonal, prejudicando a produção e a qualidade de óvulos e espermatozoides. Nas mulheres, o consumo exagerado de álcool pode, eventualmente, inclusive bloquear os ciclos menstruais.

Tabaco

É comprovado que o cigarro costuma elevar o número de abortos espontâneos e dificultar a condução do embrião das tubas uterinas até o útero. Já nos homens, o tabaco reduz a quantidade e qualidade dos espermatozoides e, assim, a capacidade reprodutiva.

Drogas Ilícitas

Todas as drogas ilícitas causam danos à fertilidade.

  • Maconha: afeta o sistema reprodutor de seus usuários e reduz a quantidade de espermatozoides e o volume de sêmen. Quando depositados na cavidade uterina, os espermatozoides tendem a perder força antes mesmo de se aproximar do óvulo, resultando na incapacidade de fecundação.
  • Cocaína, Heroína, Crack e Ecstasy: podem levar à infertilidade permanente, se usadas por tempo prolongado. Em mulheres, as drogas podem resultar em disfunção ovulatória, irregularidades menstruais e diminuição da reserva ovariana, comprometendo seriamente a capacidade de engravidar. Nos homens, costumam reduzir a libido e aumentar o número de espermatozoides defeituosos.
  • Anabolizantes: pode afetar a fertilidade permanentemente. Além da disfunção erétil e da atrofia dos testículos, o uso de anabolizantes pode diminuir a produção de sêmen e aumentar a quantidade de espermatozoides defeituosos. Nas mulheres, além de ganhar traços masculinos, os esteroides podem interferir na ovulação e interromper a menstruação.

Dieta Fértil

Um cardápio balanceado pode ser a chave para quem deseja engravidar. Confiram quais são os alimentos indispensáveis para uma dieta pró-fertilidade:

Ácido fólico (Vitamina do Complexo B)

É muito importante para as mulheres que desejam engravidar. O suplemento é essencial para prevenir a má formação do sistema nervoso do feto, principalmente nas primeiras semanas de gravidez. O ideal é consumi-lo três meses antes de engravidar e mantê-lo até o terceiro mês de gestação.

Vitamina A

A deficiência desse nutriente, presente em alimentos como leite, ovos e fígado, pode diminuir a produção e a resistência dos espermatozoides, o que tem efeito direto nas chances de engravidar. Por outro lado, seu consumo precisa ser equilibrado, já que as doses elevadas podem ser tóxicas para o organismo.

Gorduras

Em excesso, abalam a saúde cardiovascular, o equilíbrio hormonal e a estrutura anatômica. A obesidade, por exemplo, pode alterar os níveis de insulina liberados pelo pâncreas na mulher, o que desencadeia uma superprodução de hormônios masculinos pelos ovários e, por sua vez, dificulta a ovulação.

Ferro

A carência de ferro no organismo pode dificultar a ovulação. A dose pode ser reforçada investindo em alimentos, como carne vermelha, verduras verde escuro (couve, espinafre, agrião, brócolis), beterraba e açaí.

Carboidratos Complexos

A dica é trocar tudo o que é feito com farinha branca (pão, macarrão, biscoito) pela versão integral: os carboidratos complexos. Aumentando a quantidade de grãos integrais, menor é a absorção de gordura e sobrecarga de glicose ao organismo, diminuindo a chance de obesidade e resistência à insulina, que poderiam acarretar uma dificuldade ovulatória.

Fibras

O aumento da ingestão de fibras é recomendado principalmente para as mulheres com síndrome de ovários policísticos (SOP), que apresentam sobrepeso ou obesidade, associada à menor ingestão de carboidratos simples, gorduras e atividade física.

Vegetarianos

Quanto mais equilibrada a alimentação da mulher, melhor será preservada sua fertilidade. Legumes e frutas não podem faltar no cardápio. Porém, é preciso também enriquecer a dieta com proteínas. Peixes, tofu (queijo de soja) e leguminosos, como feijões, grãos de bico e lentilhas, são excelentes opções para vegetarianos.

Sorvete

A sobremesa diminui o risco de infertilidade em 22%. As mulheres que tomam sorvetes cremosos duas vezes por semana têm risco de esterilidade 38% menor do que aquelas que não se permitem nem uma casquinha por semana. A gordura presente no sorvete tem substâncias que podem melhorar o funcionamento dos ovários, facilitam a produção de hormônios sexuais e aumentam a fertilidade.

Alívio para dores femininas

Muitas dores escolhem como alvo principal as mulheres. Por isso, disponibilizamos algumas dicas para o alívio de cada uma delas:

1.Enxaqueca

A enxaqueca é o tipo de cefaleia que mais atinge as mulheres. Seus sintomas são dores na região da têmpora, podendo irradiar para toda a cabeça, aversão a cheiros, luz ou barulho, náuseas e vômitos.

Algumas das causas dessa dor são o estresse, longo jejum, poucas horas de sono, uso exagerado de analgésicos (mais de dois comprimidos por semana) e consumo de alimentos vasodilatadores, como chocolate, laranja, álcool, queijos.

Alívio
Hoje se sabe que o melhor tratamento engloba um conjunto de ações. A acupuntura é uma aliada e exercícios físicos, pelo menos três vezes por semana, também ajudam. Quanto aos remédios, a última palavra são os que previnem o transtorno, como os neuromoduladores, que atuam em mecanismos químicos e elétricos do cérebro.

2.Dor nas Costas

É quase impossível a musculatura da região não se ressentir com a correria do dia a dia. Muitas mulheres sofrem com dores nas costas por uma série de motivos, dentre eles, levantar peso e adotar má postura. Outros vilões são a ansiedade e o sedentarismo.

Alívio
Exercícios físicos, alongamento e ioga previnem esse tipo de dor por melhorarem a postura. Relaxantes musculares, analgésicos, antiinflamatórios e fisioterapia são recomendados, dependendo da gravidade do caso. Mas um estudo realizado por pesquisadores alemães mostra que os efeitos da acupuntura foram melhores do que os remédios para tratar o mal.

3.Dor no Estômago

Dor de estômago, má digestão e queimação podem ser decorrentes do aumento da sensibilidade do órgão ou do ácido que ele produz, gerando inflamação da sua mucosa (conhecida como gastrite). São mais frequentes em mulheres que lidam mal com o estresse e se alimentam de qualquer jeito.

Alívio
Comer com calma evita engolir muito ar, o que provoca gases e digestão lenta. A irritação no estômago pode ser poupada da seguinte forma: evitando café, chá preto e refrigerante, pois contêm cafeína; evitando jejum prolongado, pois aumenta a secreção gástrica e, consequentemente, a dor; cortando frituras do cardápio; e não mascando chicletes, pois o estômago recebe uma mensagem de que algo está por vir para ele digerir, produzindo ácidos para o alimento que não chega e resultando em desconforto.

4.Fibromialgia

A síndrome desencadeia dores lancinantes em todo o corpo e maltrata cerca de três milhões de mulheres e 500 mil homens no Brasil. Os sintomas são dificuldade para dormir, fadiga, baixa autoestima, dor de cabeça, formigamento e inchaço nos pés e nas mãos.

Os músculos ficam tensos e recebem menos oxigênio do que o normal, os nervos responsáveis por levar os sinais de dor para o cérebro permanecem hiperexcitados e os nervos capazes de inibi-la funcionam mal. Não se sabe ao certo as causas, mas o estresse crônico serve de estopim para a síndrome.

Alívio
Atividades que possibilitem o relaxamento à pessoa, como hidroginástica, acupuntura, massagem e psicoterapia, são ótimas alternativas para o tratamento. Especificamente, o movimento dentro da água favorece uma leve massagem muscular e deve ser frequentada como um remédio. O tratamento inclui, ainda, anti-inflamatórios.

5.Cólicas

A menstruação é uma função fisiológica e, se causa dor, precisa ser tratada. O desconforto mais comum é chamado de algomenorreia – saída da menstruação com dor, que pode ser causado por endometriose, inflamações na pelve, menstruação precoce e canal do útero muito estreito. Há também a exmenorreia – menstruação combinada com desmaios, suor frio, diarreia, cansaço e vômito -, que acontece quando a produção de prostaglandina é tão alta que sua ação negativa não se limita ao útero, indo pela corrente sanguínea e outros órgãos.

Alívio
Exercícios ajudam, mas é preciso saber escolhe-los, pois alguns aeróbicos, como corrida, podem aumentar a produção de substâncias inflamatórias e agravar o quadro. Natação, ioga, pilates, musculação e alongamento são boas opções. São indicados também acupuntura, homeopatia, ioga e massagens, que turbinam a produção de endorfina, aumentando a tolerância à dor.

6.Bruxismo

O hábito de ranger os dentes especialmente durante o sono, além de desgastar o sorriso, pode causar dor de cabeça, no pescoço, nos ouvidos, nos ombros e nas costas. Problemas no estômago também podem surgir, pois a mastigação e trituração dos alimentos são prejudicadas. Os sintomas são estalos na articulação, dor e dificuldade para abrir as mandíbulas.

Alívio
Como o que está por trás do bruxismo é a tensão, o tratamento alia visitas ao psicoterapeuta e ao dentista à prática de atividades que ajudam a relaxar, como ioga, meditação, watsu.

7.Inflamação nos Tendões

Mulheres entre 30 e 40 anos são as mais atingidas pelas dores decorrentes das lesões por esforço repetitivo (LER) ou distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (Dort). As inflamações nos tendões, principalmente nos membros superiores, ocorrem quando um grupo muscular é requisitado para a mesma tarefa muitas vezes todos os dias: digitar sem parar, fazer sempre o mesmo movimento na musculação, dentre outros.

A causa pode estar relacionada com a musculatura feminina, que é menos desenvolvida que a dos homens, somada a cargas de trabalho e exigência de resultados cada vez maiores.

Alívio
A solução é o alongamento, a cada hora e meia, pelo menos. O condicionamento físico e o fortalecimento ajudam a prevenir lesões, e ioga, pilates, massagens e acupuntura também colaboram para o alívio da dor.

8.Dica para a sua alimentação

Ômegas 3 e 6 ajudam no controle de certos tipos de dor crônica, a longo prazo, se consumidos regularmente. Estão na lista cólicas, enxaquecas e as decorrentes de doenças reumáticas, como a fibromialgia.

O ômega 3 é uma gordura poli-insaturada encontrada no salmão e na sardinha frescos e nas sementes de linhaça. Já o Ômega 6 é encontrado nos óleos vegetais, como canola e girassol. Atualmente, muitos produtos são enriquecidos com as substâncias, como ovos, leites e cereais.

Os 9 pequenos prazeres da vida

A ciência garante que aproveitar as coisas boas da vida (na dose certa, sempre) nos ajuda a ganhar bem-estar e felicidade. Seguem alguns hábitos para você adotar e comprovar:

Sol

Dose ideal: 15 minutos por dia
Ficar exposto ao sol durante 15 minutos por dia faz o organismo liberar hormônio que traz disposição e bom humor, o betaendorfina. O sol também auxilia na produção de vitamina D, melhorando a absorção do cálcio e fortalecendo os ossos, o que previne a osteoporose. Para que a radiação seja absorvida pelo corpo nesses 15 minutos, é necessário não utilizar protetor solar. O sol das 10 às 16 horas deve ser evitado, pois os raios são mais intensos. E para que o rosto não fique à mostra, sol nas costas e nas pernas é uma ótima alternativa.

Doce

Dose ideal: 01 fatia de bolo por dia = 100g sem recheio
A dose ideal pode ser substituída por 50g de chocolate. Essas guloseimas fornecem a quantidade certa de açúcar ao organismo, suficiente para estimular o hormônio do bem-estar, a serotonina. Consumir doses maiores pode resultar em diabetes e excesso de peso. Outra dica é a substituição do açúcar refinado pelo mascavo, que é mais saudável.

Bebida

Dose ideal: 01 taça de vinho por dia ou 01 copo de cerveja (200 ml)
O vinho e a cerveja possuem antioxidantes que evitam o acúmulo de gordura nas artérias e ajudam a vasodilatação, prevenindo doenças cardíacas em pessoas saudáveis. O fígado também é beneficiado, já que o álcool diminui a resistência à insulina e impede o acúmulo de gordura no órgão. Esta dica não vale para gestantes, pessoas com problemas cardíacos, diabetes ou histórico de câncer de mama na família.

Silêncio

Dose ideal: 10 minutos por dia
As saúdes física e mental são extremamente beneficiadas ao acalmar a mente. A respiração profunda é uma boa alternativa, pois oxigena os músculos, resultando no relaxamento. Se realizado frequentemente, a prática promove o autocontrole e permite a pessoa lidar melhor com as emoções.

Gargalhada

Dose ideal: 20 minutos por dia
Dar risada combate o estresse, fortalece a imunidade e elimina rugas. Descontraído, o corpo produz mais células de defesa, o que evita doenças. A gargalhada libera serotonina, hormônio que proporciona bem-estar, além de manter a pele jovem, pois movimenta 24 músculos faciais. Já conversar e rir, ao mesmo tempo, mexe com 84 músculos.

Beijo

Dose ideal: pelo menos 01 por dia
Algumas estatísticas comprovam o quanto o beijo beneficia a saúde: parceiros que se beijam de manhã vivem cinco anos a mais que aqueles que não o fazem; três beijos por dia, de 20 segundos cada um, fazem perder até um quilo por mês; o beijo diminui a pressão arterial, pois aumenta o ritmo cardíaco. O afeto estimula o cérebro a liberar endorfina e dopamina (neurotransmissor da adrenalina e estimulante), provocando sensação de prazer.

Sono

Dose ideal: de 6 a 9 horas por noite
Dormir entre 6 e 9 horas por noite é o suficiente para repor as energias do dia e prevenir doenças. Tirar um cochilo no meio da tarde também é aconselhável, pois reduza atividade do sistema nervoso, relaxa os vasos sanguíneos e acalma os batimentos cardíacos. Quando há privação de sono, as pessoas ficam deprimidas, irritadiças e propensas às doenças infecciosas, além de apresentarem um envelhecimento precoce.

Caminhada

Dose ideal: 5 minutos por dia
Caminhar um pouco todos os dias beneficia a saúde, mas se for ao ar livre, mais ainda, pois aumenta a autoestima e o bom humor da pessoa. Locais com água, como lagos e rios, são ainda mais positivos. Pessoas sedentárias, estressadas, deprimidas ou com problemas de saúde mental são as mais beneficiadas.

Sexo

Como a relação ativa a circulação sanguínea, a pele e a mucosa ficam firmes e viçosas, rejuvenescendo a aparência em até 12 anos. Além disso, o orgasmo faz o corpo entrar em profundo relaxamento, proporcionando bem-estar.

10 Benefícios da amamentação

1 – Fortalece a imunidade

O leite materno contém células de defesa e fatores anti-infecciosos que protegem o organismo do recém-nascido e, consequentemente, evitam que as infecções comuns dos primeiros seis meses afetem a criança.

2 – Permite contato com a mãe

O contato com a mãe faz com que o bebê se sinta mais seguro e tranquilo, evitando o choro e a ansiedade na criança.

3 – É o melhor alimento para o intestino

O leite humano contém enzimas já conhecidas pelo organismo da criança, ao contrário do leite de vaca e leites artificiais, que podem causar alergias intestinais e deficiência de ferro. Pelo fato de todos os componentes do leite materno ser aproveitados pelo organismo, a criança que mama no peito pode ficar até oito horas sem evacuar.

4 – Diminui o risco de alergias

Bebês que recebem leite materno como alimento exclusivo nos primeiros seis meses de vida são mais resistentes a sintomas de asma na infância, como chiados no peito e catarro. Além disso, o esforço do bebê para sugar o leite ajuda no desenvolvimento dos pulmões, fortalecendo o órgão contra alergias.

5 – Evita cólicas

O leite materno contém proteínas que contribuem para a prevenção de cólicas, pois não fermenta tanto para ser digerido quanto os leites de vaca e artificiais e, consequentemente, produz menos gases. É importante reforçar que outro fator para cólicas é a ingestão de ar pelo bebê, que é muito maior com a mamadeira do que no peito.

6 – Previne doenças futuras

O uso da mamadeira impede que a 1ª parte da digestão do alimento, que fica na boca, seja realizada, pois o leite vai direto para a garganta do bebê, comprometendo tanto o processo digestivo quanto de saciedade. Em relação aos leites de vaca e artificiais, a quantidade de sódio, potássio, magnésio e proteínas presentes em sua composição é maior que no leite materno, o que pode sobrecarregar o sistema da criança, causando alterações no processo de digestão e favorecendo o surgimento de obesidade, diabetes, hipertensão, dentre outras doenças.

7 – Combate a anemia

O leite materno possui uma quantidade muito maior de ferro, quando comparado aos demais leites, o que favorece no combate à anemia. Com o tempo, de forma natural, a presença de ferro no leite da mãe diminui, como se o leite materno preparasse o bebê para a alimentação. A partir dos seis meses, é preciso introduzir na dieta da criança alimentos ricos em ferro, como carnes, para garantir os nutrientes necessários ao bebê.

8 – Ajuda no desenvolvimento cognitivo

Crianças amamentadas desenvolvem mais rapidamente o cérebro, apresentando melhor desempenho de vocabulário e raciocínio, pois a gordura presente no leite materno é constituída por ácidos graxos poli-insaturados, responsáveis por formar os neurônios da criança e favorecer as sinapses nervosas.

9 – Desenvolve a arcada dentária

A dentição e a fala do bebê são beneficiadas pelo movimento de amamentação, pois há estímulo para o desenvolvimento dos ossos do crânio e da face, fazendo com que os dentes se encaixem de forma adequada.

10 – Ajuda no crescimento de prematuros

Os bebês prematuros têm o sistema digestivo pouco desenvolvido e mais propensão a desenvolver alergias, sendo necessária a ingestão de nutrientes provenientes do leite materno. Atualmente, os bancos de leite existentes hoje no Brasil são basicamente para o desenvolvimento destes bebês prematuros.

Sódio: dicas para o consumo correto

A Organização Mundial de Saúde recomenda o consumo máximo de dois gramas de sódio por dia. No entanto, a população consome, diariamente, seis vezes mais. E o mais preocupante é que a maioria consome sem saber. Abaixo a lista de alimentos com pouca, média e muita quantidade de sódio:

Alimentos com POUCA quantidade de SÓDIO

Abóbora; abobrinha; acelga; açúcar cristal; agrião; alface; alho; ameixa; amêndoa; amendoim; arroz; atum fresco; aveia; batata doce; berinjela; beterraba; brócolis; camarão; chicória; chocolate meio amargo; chuchu; couve-flor; ervilha; espinafre; farinha de soja; farinha de trigo; feijão fradinho; feijão; frango; frutas; gergelim; inhame; kani; linhaça; mandioca; manjericão; milho verde; óleo de canola; óleo de girassol; óleo de milho; óleo de soja; passas; pepino; pimentão; repolho; salmão; salsa; tofu; tomate; vagem.

Alimentos com MÉDIA quantidade de SÓDIO

Atum em conserva light; biscoito recheado com chocolate; biscoito recheado com morango; biscoito tipo maisena; extrato de tomate; farinha de rosca; gelatina; milho em lata no vapor; paçoca; queijo minas; requeijão; ricota; ovo.

Alimentos com MUITA quantidade de SÓDIO

Alcaparras; almôndegas; azeitona preta; bacalhau; bacon; batata chips; biscoito de água e sal; carne de sol; champignon; coxinha de frango; doces; ervilha enlatada; fermento; gorgonzola; hambúrguer; leite de vaca desnatado em pó; linguiça calabresa; macarrão instantâneo; maionese industrializada; manteiga com sal; margarina com sal; milho enlatado; molho de tomate industrializado; mussarela; palmito em conserva; pão de queijo; peito de peru; presunto; queijo parmesão; refrigerante; salgadinho de milho; salsicha; shoyo; tablete de carne e galinha; tomate seco.

Dicas para o adequado consumo de sódio

Dica 1: Não ultrapassar 2g de sódio ou 5g de sal diariamente.

Dica 2: Substituir o sal por especiarias, ervas, alho e limão. Uma boa alternativa para temperar os alimentos é utilizar pimenta preta, pimenta em pó, gengibre, manjericão e folhas de louro.

Dica 3: Reduzir gradualmente a quantidade de sal no cozimento dos alimentos.

Dica 4: Verificar os rótulos dos alimentos e escolher produtos com menos sal ou sódio.

Dica 5: Comer carne fresca em vez de carne processada e evitar o consumo de bacon, carnes curadas e salsichas.

Dica 6: Limitar o consumo de salgadinhos, substituindo-os por pequenas porções de frutas secas ou castanhas sem sal.

Alimentos para viver mais

Abóbora

A abóbora tem poucas calorias e é de fácil digestão. Pertence à mesma família da melancia, do melão, do chuchu e do pepino.

Açaí

O açaí é uma das frutas mais completa da natureza, com capacidade para reforçar a saúde física e mental.

Água de Coco

Rica em nutrientes e com sabor sem igual, a água de coco é uma bebida que hidrata o corpo e garante boa saúde.

Alho

O alho tem ação antioxidante e bactericida.

Aveia

A aveia ajuda a reduzir a absorção de colesterol pelo organismo.

Azeite

Além de ação oxidante, o azeite protege contra o câncer e doenças coronarianas.

Banana

Considerada uma excelente fonte de energia, a banana é rica em fibras, Potássio e vitaminas.

Brócolis

O brócolis pode reduzir o risco de desenvolvimento de tumores.

Castanha de Caju

A castanha de caju é bastante benéfica à saúde, mas deve ser consumida com moderação.

Cebola

Este alimento apresenta propriedades antioxidantes, melhora a imunidade e mantém a flora intestinal saudável.

Cenoura

O consumo da cenoura beneficia olhos, pele, cabelos, mucosas, ossos e sistema imunológico.

Espinafre

É um alimento rico em duas substâncias antioxidantes importantes para os olhos (Luteína e Zeaxantina).

Iogurte

O iogurte é uma importante fonte de proteína, Cálcio, vitamina A e vitaminas do complexo B.

Laranja

A laranja é a mais barata fonte de vitamina C, pois é a fruta de maior produção e consumo no Brasil.

Leite

O leite é a principal fonte de Cálcio na alimentação e atua principalmente para a formação e o fortalecimento dos ossos.

Linhaça

Fonte de minerais, vitaminas, ácidos graxos, Ômega 3 e Ômega 6, além de um composto chamado lignana.

Maçã

Possui vitamina A, C e E, que atuam como antioxidantes e combatem os radicais livres presentes no organismo.

Mexerica

Possui vitaminas A,B e C, além de alto valor nutritivo. O bagaço é rico em fibras solúveis.

Milho

Rico em fibras e vitaminas A, B e E, o milho possui um pouco de proteína e um alto teor de carboidratos.

Noz

A noz é a oleaginosa capaz de beneficiar veias e artérias, pois são ricas em antioxidantes, como o Ômega 3.

Peixe

Reduz os níveis de colesterol e o risco de doenças cardiovasculares.

Soja

A soja é um grão de elevado valor nutricional e com alto teor proteico, considerada uma proteína completa, já que contêm os nove aminoácidos essenciais que uma pessoa deve consumir.

Tomate

O tomate contribui para o impedimento e reparação de danos às células do organismo.

Vinho Tinto

O vinho tinto tem ação anticoagulante e ajuda na proteção das artérias.

7 causas para os sintomas de cansaço

Se a pessoa tem dormido tarde ou passando por um período de estresse, sentir cansaço é uma consequência natural. No entanto, se a fadiga persiste por várias semanas, o ideal é consultar um médico para investigar se há alguma causa misteriosa, como as 7 listadas a seguir:

1 – Efeitos colaterais de medicamentos

O tipo de cansaço varia de acordo com o medicamento ingerido. É comum sentir sonolência ao ingerir antialérgicos e tranquilizantes. É importante verificar se na bula consta sonolência como um efeito colateral e, se for o caso, conversar com o médico sobre a possibilidade de trocar a medicação ou reduzi-la.

2 – Problemas de tireoide

Cansaço, vontade de dormir o tempo todo, ganho ou perda súbita de peso, pele seca ou grossa, cabelo afinado ou muito grosso e dores musculares são sintomas de problemas na tireoide. Mulheres com mais de 50 anos têm mais probabilidade de sofrer desse problema. Após a realização de exames das funções da tireoide, uma terapia de hormônios pode ser recomendada pelo médico.

3 – Síndrome de fadiga pós-virose

Pessoas que passam por qualquer tipo de virose ficam completamente esgotadas e podem ter dores nos músculos e nas juntas, problemas gástricos e dificuldade de se concentrar. Como ainda não existe uma forma 100% segura de diagnosticar essa síndrome, é importante que o diagnóstico seja feito o quanto antes para obter mais chances de recuperação.

4 – Depressão

Cansaço logo após acordar, dificuldade para levantar da cama, vontade de chorar, falta de motivação, ansiedade, autoestima baixa, perda de libido e mudança brusca na fome são sinais de que a pessoa esteja deprimida. É essencial uma consulta ao especialista para identificar o grau da depressão e seguir com um tratamento – antidepressivos e terapia podem ser indicados pelo médico.

5 – Falta de Ferro

Falta de ar, dificuldade de se concentrar, dores de cabeça, tonturas, palpitações e fraqueza generalizada são sintomas da deficiência de ferro. E as causas são uma dieta pobre em ferro e sangramento menstrual muito forte. O diagnóstico pode ser feito com exame de sangue e para aumentar o consumo deste mineral, a dica é comer alimentos como fígado, carne vermelha, cereais, ovos e frutas secas.

6 – Menopausa

Se, além do cansaço, a mulher anda mais irritada do que o normal, com dores de cabeça e nas juntas, perda de libido e secura na vagina, é sinal de que está entrando na menopausa. O consumo de nozes, sementes, peixes, fibras, frutas, vegetais, aveia e feijão pode aliviar os sintomas, assim como a reposição hormonal com orientação médica.

7 – Diabetes não diagnosticada

Além do cansaço, aumento de sede, perda de peso e coceira nos órgãos genitais são sintomas típicos da doença. O diabetes tipo 2 geralmente ataca mulheres depois dos 40 anos, mas os sintomas podem começar a aparecer muito antes. É preciso realizar um teste de diabetes o mais rápido possível para evitar sequelas, como danos aos nervos ou à retina dos olhos.

Acne: dicas para o cuidado com a pele

Toda espinha necessariamente já foi um cravo algum dia, mas nem todo cravo será uma espinha. Por isso, além de não espremer a acne, é muito importante cuidar da saúde da pele e evitar fatores que favorecem o problema, como sol, açúcar, maquiagem, estresse e poluição.

Como surge a acne: ocorre quando a bactéria Propionibacterium acnes, que está presente na pele, entra nos poros e causa uma inflamação, que pode ficar vermelha e produzir uma secreção amarelada.

Fatores que pioram a acne: poros da pele muito abertos, sol, açúcar, maquiagem, estresse e poluição.

Locais mais atingidos: a quantidade de óleo costuma ser maior na testa, nariz e queixo. Depois do cabelo, o nariz é a região onde há mais folículos sebáceos, o que explica a concentração de tantos cravos na região.

Tipos de cravos: fechado (branco), quando a glândula sebácea não libera o sebo por uma obstrução, e aberto (preto), quando o sebo oxida ao entrar em contato com o oxigênio do ar.

Como limpar a pele:lavar o rosto duas vezes ao dia (manhã e noite) com sabonete específico para o rosto, esfoliar o rosto a cada 15 dias com produto específico, pois os cristais são mais finos e não agride a pele, enxaguar com água, passar um tônico, utilizar hidratante (evitar cremes, por conta da oleosidade da pele) e aplicar filtro solar (no mínimo, FPS 15).

Dicas importantes:

  • Não espremer espinhas, pois isso causa marcas permanentes;
  • Colocar esparadrapo no local e esperar secar em até dois dias;
  • Recorrer a um especialista para realizar tratamento – adolescentes com muita acne;
  • Caso as espinhas persistam após a adolescência, é sinal de que a acne é uma doença genética da pele;
  • Pessoas com acne têm glândulas sebáceas maiores e, consequentemente, produzem mais sebo, independente de alterações hormonais;
  • Na fase pré-menstrual há um aumento da progesterona, hormônio que estimula a glândula sebácea e favorece o aparecimento de acnes.

Dicas para o bom funcionamento do intestino

Movimentar o corpo

Mexer o corpo pelo menos três vezes por semana aumenta o dinamismo da musculatura do intestino e estimula a ativação peristáltica (movimentos involuntários que dão um empurrão às fezes até a saída).

Diminuir carnes vermelhas

A carne vermelha contém substâncias nocivas como nitritos e nitratos que, em acúmulo, podem gerar doenças. Além disso, é um alimento de difícil digestão.

Evitar carboidratos e açúcar refinado

O açúcar, tanto o refinado quanto os que estão presentes no pão, macarrão, bolachas, massas e doces, é altamente fermentativo, o que prejudica o crescimento das bactérias boas presentes para ajudar na digestão e absorção dos nutrientes.

Abusar da água

A água contribui para que as fibras inchem e, posteriormente, contribuam na formação do bolo fecal.

Consumir alimentos com probióticos

Essas bactérias, presentes em iogurtes e outros produtos lácteos, promovem o equilíbrio da flora intestinal.

Ingerir prebióticos

Importantes como fonte de energia para a manutenção do equilíbrio da microbiota, podem ser encontrados nas frutas, alcachofra, alho, chicória, bardana, aveia e banana verde.

Consumir fibras

Com a capacidade de absorver água e formar gel, as fibras alimentares insolúveis melhoram o funcionamento do intestino, uma vez que aumentam o peso e o volume fecal, além de varrer substâncias tóxicas da mucosa do cólon.

6 Dicas para dormir bem

Dica 1: Não realizar atividade física intensa até 3h antes de deitar.

Dica 2: Vestir uma roupa confortável.

Dica 3: Esvaziar a mente e pôr as pendências e preocupações no papel.

Dica 4: Evitar café e alimentos de difícil digestão.

Dica 5: Ler algo leve.

Dica 6: Ouvir músicas relaxantes.

A privação de sono em longo prazo pode encurtar a expectativa de vida, desencadear problemas metabólicos, como obesidade e diabetes, aumentar as chances de doenças cardiovasculares e diminuir o rendimento físico e mental.