Alimentação influencia na fertilidade de homens e mulheres

Vitaminas e minerais ajudam a proteger e regular as funções reprodutivas

Apesar de a infertilidade ter inúmeras causas, não se pode ignorar a influência dos hábitos alimentares nas funções reprodutivas de homens e mulheres. O atual estilo de vida, o estresse, e a correria do dia a dia junto ao sedentarismo podem ocasionar uma alimentação inadequada e isso, fatalmente, atinge e reflete nos potenciais reprodutivos dos casais.

A forma como se alimentam as mulheres pode influenciar as funções ovulatórias. Uma vida indisciplinada, sob o estresse constante e má alimentação, é capaz de desequilibrar a fisiologia da mulher, e a consequente disfunção pode culminar na infertilidade. Este mesmo raciocínio pode ser aplicado ao homem. Os pacientes obesos, por exemplo, costumam ter uma menor produção de espermatozoides.

O que representa a má-alimentação

Para que o organismo não sofra os efeitos de uma alimentação desequilibrada, é preciso ter alguns cuidados. O sal em excesso e os temperos prontos, por exemplo, prejudicam a circulação sanguínea, aumentam a retenção de líquidos e, consequente, resultam em toxinas acumuladas. Alimentos industrializados e prontos como lasanhas congeladas, hambúrgueres e pizzas também não são uma boa ideia, pois são ricos em sódio e deficientes em vitaminas, minerais e antioxidantes importantes e fundamentais para a fertilidade.

Um fator importante é o consumo exagerado de carboidratos com alto índice glicêmico, entre eles massas, batatas e doces, que podem, em algumas mulheres especificamente, causar Síndrome dos Ovários Policísticos. A dieta atual do brasileiro, e até da maioria dos países ocidentais, tende aos lanches ou pratos rápidos, a base de pães, batata frita, arroz e doces. É importante prestar atenção à quantidade e qualidade de carboidratos que se come, pois eles fazem a diferença no metabolismo da glicose, na fabricação ou resistência à insulina – hormônio relacionado às funções reprodutivas da mulher.

Boas fontes para fertilidade

Abaixo são apresentados os efeitos de minerais e vitaminas no aparelho reprodutor masculino e feminino, assim como em quais alimentos podemos encontrá-los:

Licopeno - Antioxidante muito estudado porque atua na regulação hormonal dos ovários o que pode colaborar na regulação do ciclo ovulatório.

Alimentos: tomate, caqui, pitanga, morango, melancia, goiaba vermelha.

Ômega 3 e 6Ação anti-inflamatória e  proteção  do aparelho reprodutor feminino.

Alimentos: azeite, oleaginosas (castanhas, nozes, amêndoas, semente de abóbora, macadâmia, etc), linhaça; peixes (salmão, atum, sardinhas, anchovas).

Vitamina EMelhora as funções do endométrio e do útero, aumentam a vascularização da região. Para o homem esta vitamina melhora a qualidade dos espermatozoides.

Alimentos: oleaginosas, grãos integrais, óleos vegetais, grão de soja, couve, agrião, azeitonas, leite enriquecido.

Ferro – Importante para a formação dos glóbulos vermelhos. Em baixa, há o prejuízo da circulação sanguínea, o que prejudica a ovulação e pode estar relacionado ao mau desenvolvimento do feto.

Alimentos: carne, vegetais verdes escuros, leguminosas. 

Zinco – Mineral importante para o casal, pois ele é fundamental na produção dos espermatozoides e contribui com os hormônios femininos.

Alimentos: nozes, carne bovina, gérmen de trigo, ostras, feijão.