Uso de anabolizantes impede a produção de células e pode afetar a fertilidade

Texto publicado no Portal Bebe.com 

A busca pelo corpo perfeito, quando conciliada ao uso de esteroides anabolizantes (ou as famosas “bombas”), não é nada benéfica quando falamos de maternidade. Utilizar hormônios para acelerar o ganho de massa muscular pode causar infertilidade – parcial ou total – tanto em homens quanto em mulheres. Entre os efeitos comuns estão a diminuição dos testículos e a interferência no crescimento do endométrio, dificultando a fixação do embrião na parede do útero e provocando o aborto.

A testosterona sintética, por exemplo, ocasiona o bloqueio da produção de espermatozoides e a interrupção da menstruação. Originalmente, ela é utilizada em doses adequadas – e com indicações específicas – para corrigir algumas doenças e deficiências hormonais. Seu uso indevido pode levar à insuficiência hepática, ao câncer de fígado e, ainda, afetar a fertilidade. Isso acontece pois quando há uma taxa de testosterona muito acima do normal presente no organismo, ela inibe a produção de FSH, hormônio responsável pela maturação das células reprodutivas. No caso dos homens, que possuem naturalmente mais testosterona, doses extras - mesmo que em pouca quantidade - podem debilitar as funções reprodutoras parcialmente, diminuindo as chances de ter filhos.

anabolizantes-impacto-fertilidade

Porém, com a suspensão da droga, o corpo masculino pode voltar a produzir os espermatozoides e o feminino pode regularizar a menstruação. Geralmente, o organismo volta ao normal após três meses sem a substância. O problema é que muitas vezes o homem já tem uma baixa contagem de gametas e a mulher está em uma idade de declínio fértil, em que a quantidade e a qualidade de óvulos já não possibilitam uma gravidez fácil. Se o casal continuar tentando e não conseguir engravidar, é importante procurar um especialista para verificar o que está ocorrendo. É possível até que o insucesso na gravidez esteja ligado a outros fatores que causam a infertilidade – e não diretamente o anabolizante.

A mensagem-chave é: se o casal tem expectativas de engravidar e um dos dois (ou ambos) toma anabolizantes, é aconselhável que a utilização seja interrompida imediatamente. Caso o quadro não se reverta, procure sempre um especialista.

Dr. Maurício Chehin, médico especialista em reprodução assistida do Grupo Huntington.