Diagnóstico Genético Pré-implantacional (PGD)

Consiste em um exame genético realizado antes da implantação dos embriões, avanço extraordinário da ciência da reprodução humana que traz tranquilidade para os casais que, por diversos motivos, precisam certificar-se da qualidade dos embriões que serão implantados no útero materno.

Para quem o PGD é indicado?

O PGD é indicado para:

  • Mulheres com idade avançada (38 anos ou mais);
  • Homens com sêmen de baixa qualidade;
  • Casais que já tenham filho(s) com alguma anomalia cromossômica;
  • Casais portadores de alguma alteração cromossômica;
  • Casais com história familiar de doenças genéticas;
  • Casais que já tiveram gravidez diagnosticada como alterada durante os exames de pré-natal;
  • Casais com falhas recorrentes de FIV (fertilização in vitro);
  • Casais com histórico de abortos recorrentes.

Como o PGD é feito?

O PGD pode ser realizado apenas após ciclo de reprodução assistida. Com o PGD, algumas células são removidas do embrião através de técnicas microcirúrgicas para a análise cromossômica ou gênica.

As células retiradas podem ser analisadas por diferentes técnicas, de acordo com o objetivo da análise. As técnicas utilizadas são o FISH (do inglês: Hibridação in situ fluorescente), o CGH-array (do inglês: Hibridação Genômica Comparativa) e PCR (do inglês: Reação em Cadeia da Polimerase). As técnicas de FISH e CGH-array são indicadas para a verificação da integridade cromossômica do embrião, preferencialmente no estágio de blastocisto ou quinto dia de desenvolvimento embrionário. Já a técnica do PCR é indicada para a análise de doenças monogênicas.