Quais são os tratamentos de fertilidade para quem deseja engravidar

RECEBA NOSSOS PRÓXIMOS
CONTEÚDOS EXCLUSIVOS:

    Compartilhe este post

    Share on facebook
    Share on twitter
    Share on linkedin
    Share on whatsapp

    Quando um casal decide que chegou a hora de ter um bebê, surgem as preocupações após algumas tentativas sem sucesso. Junto aos questionamentos e frustrações, vem também a ideia de realizar um tratamento de fertilidade que possa auxiliar na concretização desse desejo.

    Esse é um momento que requer paciência e cautela, pois o casal interessado em solucionar a infertilidade deve passar por várias etapas antes de qualquer procedimento. Entre pesquisas, exames e consultas com médicos especialistas em reprodução humana assistida, os pacientes podem encontrar o que tanto desejam.

    Ao cogitar passar por um processo assim, a primeira coisa a se ter ciência é que existem diversos métodos. Cada um deles é indicado em um caso específico e, justamente por isso, a decisão final não será apenas do casal, mas em conjunto com o médico responsável.

    Diante disso, elaboramos este guia para que você conheça um pouco mais sobre as principais técnicas de reprodução assistida e quais são suas indicações. Acompanhe-nos!

    Fertilização in Vitro

    Também conhecida como FIV, esse é o método mais eficaz quando se trata de medicina reprodutiva. A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA) indica que a taxa de sucesso da fertilização in vitro chega a 60%.

    É um procedimento de alta complexidade, cujas etapas são realizadas em ambiente laboratorial, incluindo a fecundação.

    A técnica consiste, primeiramente, no estímulo ovariano seguido da indução da ovulação. Enquanto isso, os espermatozoides também são preparados, de forma que o sêmen do próprio parceiro ou do banco de doação passa por uma análise.

    Com o intuito de elevar as chances de gravidez, são selecionados os espermatozoides que apresentam melhor qualidade em relação à mobilidade. A fecundação ocorre em um laboratório de embriologia, onde também haverá o cultivo embrionário.

    Por fim, a transferência embrionária é realizada por meio de um fino cateter inserido no útero.

    O tratamento é indicado para casos em que não houve resultado positivo em outro método de reprodução assistida; idade materna superior a 35 anos; dificuldade para engravidar há mais de 3 anos; mulheres que apresentam obstrução nas trompas ou endometriose; e infertilidade de fator masculino.

    Inseminação artificial

    Uma alternativa de menor complexidade é a inseminação artificial. Esse tratamento de fertilidade tem como fundamento a inserção de espermatozoides diretamente no útero materno. Isso faz com que as chances de fecundação sejam ampliadas, uma vez que o trajeto para alcançar os óvulos é reduzido.

    Além da amostra de sêmen passar por um preparo em laboratório, o principal fator que expande a possibilidade de sucesso é a estimulação ovariana. Assim como na FIV, a paciente passa por esse processo que dura cerca de 10 a 12 dias e é acompanhado através de exames de ultrassonografia.

    Os espermatozoides serão, então, depositados no interior do útero quando a paciente estiver em período de ovulação.

    O método é recomendado para casais com dificuldade para engravidar devido a alteração leve no espermograma; mulheres que apresentam ovulação irregular, alteração no colo do útero ou quando a causa específica da dificuldade não é identificável.

    Tanto a inseminação quanto a FIV são indicadas também para casais homoafetivos e mulheres que optam pela produção independente.

    Congelamento de óvulos

    O congelamento de óvulos é uma opção para mulheres que desejam preservar a fertilidade. Isto é, caso a gestação seja um plano futuro, as células reprodutoras congeladas têm sua qualidade conservada e podem cumprir esse papel quando chegar o momento.

    Ao longo dos anos, a quantidade e a qualidade dos óvulos diminuem gradativamente, o que resulta na dificuldade de uma gravidez natural em casos de idade feminina avançada. Além da queda na reserva ovariana, os gametas femininos podem ser afetados por fatores externos, como tabagismo, obesidade, uso de drogas e poluição.

    Esse tratamento de fertilidade é ideal para mulheres que desejam gestar no futuro ou para aquelas que apresentam risco de diminuição de sua reserva ovariana (“estoque”de óvulos), como pacientes oncológicas (que passam por quimio ou radioterapia); e mulheres que precisam remover os ovários.

    3 tratamentos de fertilidade diferentes e suas indicações

    Citamos anteriormente as principais técnicas de reprodução assistida, agora, vamos apresentar mais algumas opções.

    1. Coito Programado

    Trata-se de um método de baixa complexidade, que consiste no acompanhamento do crescimento dos folículos ovarianos através de ultrassonografias. Isso permite que o médico oriente o casal a ter relações sexuais no período em que há grandes chances de fecundação. 

    Nesse tratamento de fertilidade, ocorre o procedimento de estimulação ovariana por meio de medicações indicadas pelo especialista.

    2. Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoides (ICSI)

    O procedimento é indicado para casos de infertilidade masculina grave, em que a FIV convencional não seria possível. 

    Na ICSI, um espermatozoide, selecionado por análise microscópica, é injetado no interior do óvulo através de uma agulha de alta precisão. Além do fator masculino grave, também pode ser realizado em casos onde a análise embrionária se faz necessária.

    3. Tratamentos Cirúrgicos

    Alguns procedimentos cirúrgicos também podem ser oferecidos a fim de reverter a infertilidade. A videolaparoscopia ginecológica permite tratar casos de mioma uterino, cisto ovariano, endometriose e outros fatores. 

    Outro procedimento que visa corrigir alterações no sistema reprodutor é a histeroscopia. E também pode ser feita a reversão de vasectomia ou da laqueadura.

    Quais são as considerações antes, durante e depois dos tratamentos de fertilidade?

    Em primeiro lugar, recomenda-se que casais em que a mulher tenha até 35 anos procurem por um tratamento de fertilidade após 1 ano de tentativa de gestação espontânea sem uso de contraceptivos. Acima dessa idade, essa busca deve ser antecipada, logo após 6 meses de tentativas naturais.

    Caso não haja sucesso, a busca pela técnica ideal começa na detecção dos fatores causadores da infertilidade. Ao identificar tais condições, o casal será instruído pelo médico a respeito do tratamento adequado.

    Durante o procedimento de FIV, por exemplo, em alguns casos há a indicação de se realizar uma biópsia embrionária no intuito de analisar os cromossomos. Assim, se evita o desenvolvimento de doenças genéticas, por exemplo.

    É válido recordar que toda a jornada deve ser acompanhada pela equipe médica responsável, e a taxa de êxito dos tratamentos é contabilizada a partir do número de nascimentos.

    Tendo conhecimento acerca dessas questões, fica mais fácil buscar o melhor tratamento de fertilidade. E nós temos mais informações para você! Saiba aqui quais são os principais custos da Fertilização in Vitro.

    Para ler

    Em seguida

    Português do BrasilEnglishEspañol