É possível escolher o sexo do bebê?

RECEBA NOSSOS PRÓXIMOS
CONTEÚDOS EXCLUSIVOS:

    Compartilhe este post

    Share on facebook
    Share on twitter
    Share on linkedin
    Share on whatsapp

    “Doutor, posso escolher o sexo do bebê?” Quase sempre durante uma consulta de casais inférteis essa pergunta surge. Destoante, já que na maioria das vezes o casal não tem nenhum filho e o foco deveria ser na conquista da gestação em si.

    Menino ou menina? É o que todo mundo parece estar louco para saber. Simpatias, lendas e especulações são divertidas, mas não têm nenhuma base concreta, tanto para obter a tão desejada gravidez, quanto para definir o sexo.

    Atualmente, a forma mais precoce de discernir o sexo de uma grávida é a realização do teste sanguíneo de sexagem fetal na mãe, que pode ser feito a partir da 8ª semana de gestação e promete até 92% de exatidão. A escolha do sexo é tecnicamente possível por meio de uma abordagem específica conhecida como biópsia embrionária. O óvulo fertilizado desenvolve-se durante alguns dias antes de ser retirada uma célula, que é analisada para verificar a presença de genes anormais e, consequentemente, o sexo do embrião. Não existem indícios de que a remoção de uma célula afete o desenvolvimento do embrião.

    No entanto, por orientação do Conselho Federal de Medicina e do Conselho de Ética Médica, esse método não deve ser realizado, exceto em casos específicos para evitar a transmissão de alguma doença ligada ao sexo, como a hemofilia – problema na coagulação sanguínea que só afeta homens. Recentemente, tivemos o 1º nascimento programado de uma criança para salvar a vida de seu irmão.

    O casal não pensa nas consequências causadas pela escolha do sexo de um bebê, como ‘o que fazer com os embriões que são do sexo não desejado após sua concepção’. Além disso, a fertilização in vitro não permite a escolha do sexo a ser formado, apenas revela o sexo do embrião.

    Na maioria dos países, a escolha de sexo do bebê só é permitida se o objetivo for evitar doenças genéticas. Na Grã-Bretanha, é ilegal escolher o sexo de uma criança apenas porque os pais gostariam de ter um menino ou uma menina.

    Dr. Vamberto Maia Filho, especialista em reprodução assistida do Grupo Huntington.

     

    Para ler

    Em seguida