O que é oncofertilidade e como ela ajuda na preservação da fertilidade?

RECEBA NOSSOS PRÓXIMOS
CONTEÚDOS EXCLUSIVOS:

    Compartilhe este post

    Share on facebook
    Share on twitter
    Share on linkedin
    Share on whatsapp

    Você sabe o que é oncofertilidade e o que ela tem a ver com câncer?

    De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), somente em 2018 foram contabilizados 18 milhões de novos casos da doença no Brasil. Além disso, segundo estimativas, um a cada cinco homens e uma a cada seis mulheres irão desenvolvê-la em algum momento da vida.

    Felizmente, os tratamentos de radioterapia e quimioterapia, aliados à cirurgia, oferecem uma taxa de remissão da doença de até 90% a depender do tipo de câncer e do local que afeta.

    Para pessoas que querem ter filhos, por outro lado, este cenário pode não ser positivo. Um dos possíveis efeitos colaterais desses procedimentos é a diminuição da fertilidade dos pacientes. Desanimador, não é mesmo?

    Fique tranquilo, já existe uma área da reprodução assistida que estuda esse assunto  e que propõe tratamentos para preservar a fertilidade, chamada de oncofertilidade.

    Entenda sobre o assunto no artigo a seguir!

    O que é oncofertilidade?

    Os tratamentos oncológicos, como a radioterapia e a quimioterapia, possuem agentes altamente tóxicos para algumas células do organismo, incluindo óvulos e espermatozóides e,portanto em muitos casos, afetam a saúde reprodutiva dos pacientes, temporária ou definitivamente.

    Nas mulheres, eles podem causar falência ovariana, menopausa precoce e outros problemas. Já nos homens, podem afetar a função dos testículos, interferindo na produção de testosterona e, na produção de espermatozoides.

    A oncofertilidade é uma nova área da Medicina Reprodutiva que atua de forma multidisciplinar, visando preservar a fertilidade de pessoas que precisam se submeter aos tratamentos oncológicos.

    Vários profissionais estão envolvidos neste novo campo, como:

    • Especialistas em reprodução humana;

    • Oncologistas;

    • Urologistas;

    • Profissionais da cirurgia videolaparoscópica;

    • Psicólogos;

    • Geneticistas.

    Como ocorre o tratamento de preservação da fertilidade em pacientes oncológicos?

    Para que sejam mais eficientes, os tratamentos de preservação da fertilidade  devem ser realizados preferencialmente antes de se iniciar a radioterapia ou a quimioterapia.

    Os tratamentos  variam de caso para caso, de pessoa para pessoa, e a indicação do método a ser usado deve ser do oncologista responsável pelo tratamento do câncer, com o auxílio de um especialista em reprodução assistida.

    Vamos conhecer as opções.

    Preservação da fertilidade para mulheres com câncer

    A alternativa mais eficaz para se preservar a fertilidade da mulher é a criopreservação ou congelamento de óvulos, técnica que coleta os óvulos por aspiração e congela os gametas femininos, para que eles possam ser fertilizados posteriormente.

    Para realização dessa técnica é necessária a estimulação hormonal que infelizmente nem sempre é possível para as mulheres que irão se submeter a um tratamento oncológico.

    Pode haver contraindicação ao uso de hormônios em alguns tipos de câncer e também urgência de início do tratamento oncológico que não permite aguardar o tempo necessário para a terapia hormonal.

    Nestes casos , uma outra forma de se fazer a criopreservação é através do congelamento do tecido ovariano, para que, mais tarde, os folículos ovarianos possam ser maturados em laboratório e formem óvulos maduros.

    Nesta técnica, é necessária a retirada cirúrgica de uma pequena parte do ovário e a estimulação hormonal não é necessária.

    Além da criopreservação, existe a supressão medicamentosa da função ovariana, em que são utilizados inibidores hormonais. Eles são ministrados através de injeções e o objetivo é paralisar o metabolismo das células ovarianas para que elas sejam menos afetadas pela quimioterapia.

    Se a paciente estiver com a região pélvica afetada e precisar realizar radioterapia, uma possibilidade é a cirurgia para elevação dos ovários, para que eles não estejam no raio de ação do tratamento oncológico.

    Preservação da fertilidade para homens

    A proteção da fertilidade dos homens pode ser feita de duas maneiras. A primeira delas é a criopreservação ou congelamento dos espermatozoides, por meio da coleta e congelamento dos gametas masculinos ou do congelamento do tecido testicular.

    Outra possibilidade é a proteção dos testículos durante a radioterapia para evitar que a radiação afete a produção de espermatozoides.

    Preservação da fertilidade para crianças e adolescentes

    Infelizmente, o câncer pode acometer pessoas em qualquer idade e, se tratando de crianças e adolescentes, é também importante pensar no seu futuro reprodutivo.

    Mesmo que antes da puberdade as gônadas sejam mais resistentes às terapias oncológicas e o possível malefício aos óvulos e espermatozóides costuma ser menor, a manutenção da fertilidade ainda não é garantida.

    Nesse sentido, é interessante buscar opções de preservação da fertilidade também para estes pacientes.

    Como os gametas só são produzidos após a puberdade, neste caso, a única opção disponível é a criopreservação de fragmentos de tecidos ovarianos ou tecido testicular.

    Seja qual for a terapêutica adotada, é indispensável que seja feita em uma clínica de excelência. Você conhece um lugar assim?

    Como escolher uma clínica para realizar a preservação da fertilidade?

    A preservação da fertilidade em pacientes oncológicos requer tecnologia de ponta e uma equipe médica devidamente capacitada. A infraestrutura da clínica, as instalações laboratoriais e a formação da equipe médica são pontos fundamentais a serem analisados antes de se decidir onde fazer o tratamento.

    Não podemos nos esquecer de que a intervenção para a preservação da fertilidade, seja feminina ou masculina, ocorre quando a pessoa está lutando contra o câncer, momento bastante delicado.

    Por isso, além de um corpo clínico competente e instalações modernas, o acompanhamento ao paciente deve ser humanizado.

    O Grupo Huntington de Medicina Reprodutiva está inserido no “Oncofertility Consortium”, da Universidade de Northwestern, que regulamenta e referenda os melhores centros internacionais na área.

    Você quer conhecer mais sobre o nosso trabalho? Acesse o nosso site! E para mais conteúdo como esse, continue no nosso blog e nos acompanhe nas redes sociais, estamos no Instagram, Facebook e YouTube!

    Portrait of young woman with cancer and crossed arms with closed eyes and sky on background

    Para ler

    Em seguida