Outubro Rosa

RECEBA NOSSOS PRÓXIMOS
CONTEÚDOS EXCLUSIVOS:

    Compartilhe este post

    Share on facebook
    Share on twitter
    Share on linkedin
    Share on whatsapp

    Fertilidade de mulheres com câncer de mama pode ser preservada

    Técnicas de reprodução assistida permitem que pacientes oncológicas mantenham vivo o desejo da maternidade

    A conscientização sobre a importância da mamografia e do diagnóstico precoce do câncer de mama são a tônica do Outubro Rosa. Contudo, outro aspecto também merece atenção, embora nem sempre seja discutido: a preservação da fertilidade. Parte das mulheres diagnosticadas com câncer de mama encontra-se em idade reprodutiva e ainda têm planos de ter filhos. Muitas delas não têm conhecimento de que os tratamentos oncológicos, como radioterapia e quimioterapia, podem causar infertilidade.

    Banner-Randomico_OutRosa2019_V3

    Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o câncer de mama é a neoplasia maligna mais incidente em mulheres na maior parte do mundo. No Brasil, as estimativas de incidência de câncer de mama para o ano de 2019 são de 59.700 casos novos, o que representa 29,5% dos cânceres em mulheres. Considerando que 85% a 90% das pacientes jovens com essa patologia ficarão curadas, a maternidade pós câncer se torna um fator importante a ser levado em consideração no que diz respeito aos anseios e a qualidade de vida destas mulheres.

    “Existem técnicas que podem preservar a oportunidade da maternidade futura para mulheres jovens diagnosticadas com câncer de mama”, esclarece Dr. Mauricio Chehin, médico especialista em reprodução assistida e coordenador do projeto de Oncofertilidade da Huntington Medicina Reprodutiva. A escolha do melhor método deve ser feita em conjunto com o especialista de Reprodução Humana e o Oncologista, e aplicada antes da etapa de quimioterapia, complementar à cirurgia da mama.

    Hoje, o tratamento de preservação da fertilidade conta com técnicas avançadas, dando às pacientes tempo hábil para realizar o congelamento de óvulos ou embriões antes dos procedimentos quimioterápicos ou radioterápicos. Um dos métodos mais comuns escolhidos pelos médicos especialistas em reprodução assistida é a vitrificação de óvulos, técnica de congelamento ultrarrápido que é menos prejudicial aos gametas.

    Cold sample storage container in a test tube laboratoryO procedimento é feito entre 10 e 15 dias antes do início do tratamento com quimioterapia, e pode ser realizado em qualquer fase do ciclo sem que a mulher tenha que esperar a próxima menstruação. Os óvulos obtidos são preservados em tanques de nitrogênio em baixíssimas temperaturas por técnicas que não danificam as células. Embora o uso de hormônios para indução de ovulação e obtenção de um maior número de óvulos possa ser visto com cautela pelas pacientes que estão tratando o câncer de mama, já se tem o conhecimento de que este uso é seguro, e junto aos hormônios são utilizadas medicações que impedem qualquer ação destes na mama.

    Na Huntington Medicina Reprodutiva, levantamento dos últimos cinco anos mostra que o número de pacientes que congelaram seus óvulos aumentou. No ano de 2014, 108 mulheres realizaram o processo de congelamento dos óvulos e, desde então, até o primeiro semestre de 2019, mais de 1.250 procedimentos foram realizados, sendo que 8% foram em decorrência do diagnóstico de câncer de mama.

    Apesar de o congelamento de óvulos ser o método mais comum de preservação para as pacientes com câncer de mama, existem situações para as quais a técnica não é a mais indicada. Caso a paciente for uma menina jovem, que ainda não atingiu a puberdade, o que é muito raro no câncer de mama, e mais comum em casos de canceres hematológicos, como leucemia e linfoma, ela não pode ser estimulada com hormônios. Outro cenário é quando a paciente precisa começar o tratamento com urgência e não há tempo hábil para aguardar os 10 a 15 dias necessários para o congelamento de óvulos. Nesses contextos, é recomendada a criopreservação de tecido ovariano. O procedimento é cirúrgico e leva um dia para ser feito. Parte ou um dos ovários são retirados e o tecido ovariano é preparado e criopreservado. Após a liberação do oncologista, são descongelados e reimplantados tiras milimétricas do tecido ovariano no ovário contralateral remanescente ou mesmo em outros locais da pelve feminina para tentar a gravidez. O tecido pode levar de três a quatro meses para recuperar suas funções hormonais e, após esse período, é possível ovular e tentar a concepção.

    “Mesmo em um momento delicado como esse na vida de uma mulher, o risco de infertilidade deve ser apresentado pelos médicos que acompanham seu tratamento. A chance de cura é alta e opções de tratamentos para preservar a fertilidade não faltam. Trata-se de uma oportunidade para escolher, no futuro, qual caminho seguir, ampliando as possibilidades de ter filhos”, finaliza Dr. Chehin.

    IMG_5804

    Dr. Maurício Chehin

    Para ler

    Em seguida