Preservação da Fertilidade: Conheça o Hormônio Antimülleriano (HAM)

RECEBA NOSSOS PRÓXIMOS
CONTEÚDOS EXCLUSIVOS:

    Compartilhe este post

    Share on facebook
    Share on twitter
    Share on linkedin
    Share on whatsapp

    Ainda não existe um único teste da fertilidade, que nos dá um resultado mágico que diz se uma pessoa é fértil ou não fértil. Mas o que temos são ferramentas para monitorar alguns aspectos chave da fertilidade feminina. Quando o assunto é prevenção da infertilidade ou previsão da fertilidade, o hormônio antimülleriano (HAM) é o grande protagonista. Hoje, ele é o indicador mais confiável que temos para estimar a reserva ovariana, ou seja, o estoque de óvulos que temos no nosso organismo.

    O que você vai descobrir com o exame HAM

    1) Como está sua reserva ovariana: acima, abaixo ou dentro da média para sua idade

    A dosagem do HAM (hormônio antimülleriano) – combinada a uma análise de histórico de saúde e estilo de vida – é o principal indicador que temos para estimar a famosa reserva ovariana. Se a maternidade estiver nos seus planos, as chances podem ser maximizadas mesmo com a reserva baixa, seja através de mudança de hábitos, tratamentos de fertilidade (como o congelamento de óvulos, por exemplo, se os planos forem para o futuro) e outras opções disponíveis hoje.

    2) Se você vai chegar na menopausa antes, depois, ou na média de idade para a mulher brasileira (aproximadamente 50 anos)

    Saber aproximadamente quando você pode chegar à menopausa pode evitar frustrações lá na frente, além de te dar a oportunidade de fazer um planejamento familiar mais assertivo.

    Além de nos dar uma estimativa sobre a reserva ovariana, a dosagem do HAM também é usada para traçar a curva de fertilidade da pessoa – que é única para cada um de nós, assim como o metabolismo. Caso o índice HAM esteja muito baixo, podemos estimar que a menopausa vai ocorrer antes da média da mulher brasileira, que é aos 50 anos.

    3) Até qual idade é mais seguro planejar uma gravidez natural

    Na sua vida: Os dados que a medicina oferece hoje dizem respeito à média da população – ou seja, até temos uma estimativa, o que é bem diferente de um dado concreto, obtido através de referenciais do seu organismo.

    Na Descoberta da Fertilidade, avaliamos fatores quantitativos (exame HAM) e qualitativos (idade, histórico médico e estilo de vida), e a partir deles chegamos à melhor resposta para você.

    ABC da Fertilidade: Em média, a fertilidade espontânea das mulheres cai exponencialmente a partir dos 35 anos, quando a reserva ovariana começa a diminuir em quantidade e qualidade. Além disso, existem alguns riscos obstétricos associados à gravidez tardia que devem ser levados em consideração, como o de hipertensão gestacional (que pode levar a um quadro de pré-eclâmpsia), diabetes gestacional, parto prematuro dentre outras complicações. Por isso, uma avaliação de histórico de saúde e estilo de vida são tão importantes quanto resultados da avaliação de exames! Desta forma no geral a idade mais segura para uma gravidez fica entre 25 e 35 anos, porém apesar de ser este o melhor momento biológico pode não ser o seu melhor momento pessoal e profissional e  se for este o seu caso é importante procurar ajuda para planejar seus planos no futuro.

    4) Quando (e se) faria sentido pensar em congelamento de óvulos

    Na sua vida: Se sua reserva ovariana estiver maior ou dentro da média, mas você ainda não estiver pronta para ter filhos, nossos especialistas podem te orientar sobre o momento ideal para congelar seus óvulos e maximizar as chances de engravidar no futuro. Podemos te ajudar também a entender o que faz sentido pra você diante deste cenário – o congelamento de óvulos é apenas uma das opções, mas nem sempre é a melhor decisão pessoal ou financeira para todos. É importante lembrar que a avaliação da reserva ovariana é quantitativa e não avalia a qualidade. Após os 35 anos há uma queda também da qualidade dos óvulos, que se acentua ainda mais após os 38 anos e deste modo mesmo com boa reserva ovariana há indicação do congelamento de óvulos ou embriões para mulheres que não planejam engravidar até os 35 anos.

    Caso sua reserva ovariana esteja abaixo da média e você ainda pense em ter filhos, nossos especialistas vão te orientar para que você possa montar o seu plano de vida fértil a partir das opções disponíveis, seja ela o congelamento de óvulos ou a fertilização in vitro.

    ABC da Fertilidade: Nosso corpo pode não ter acompanhado a evolução do ritmo de vida moderno, com planos de gravidez sendo adiados cada vez mais por uma série de motivos, mas a ciência nos dá hoje mais informações e recursos do que nunca para contornar esse “desencontro” a partir de uma série de opções confiáveis e seguras. Por aqui acreditamos que a chave para desmistificar todos esses processos está na informação e queremos estar junto com você nessa jornada.

    5) Se você possui algum distúrbio hormonal, como por exemplo a síndrome dos ovários policísticos (a famosa SOP)

    Na sua vida: Embora não seja suficiente para um diagnóstico definitivo do problema, o HAM pode desempenhar um papel importante na detecção de SOP – que pode ser a razão por trás de um ciclo menstrual irregular, excesso de acne, dificuldade em perder peso e problemas de fertilidade.

    ABC da Fertilidade: A síndrome dos ovários policísticos é um distúrbio hormonal que afeta a capacidade do seu corpo de ovular regularmente. 1 em cada 10 mulheres possuem esta condição, que ainda não tem uma causa clara, e os fatores que a desencadeiam podem mudar de pessoa para pessoa. Genética, comportamento, meio ambiente e estilo de vida são os principais fatores que podem influenciar no aparecimento da síndrome, que pode ser tratada a partir de medicamentos e mudanças no estilo de vida (como alimentação e prática de exercícios físicos).

    6) Hábitos que podem ajudar a prolongar sua vida fértil

    Na sua vida: Parece clichê, mas hábitos relacionados ao estilo de vida, como alimentação, prática de exercícios físicos, tabagismo, uso de drogas, consumo de álcool, etc, impactam diretamente a sua fertilidade. Diferente do seu metabolismo ou de fatores genéticos, esta é uma dimensão do seu corpo que você pode controlar e a Oya está aqui para te ajudar nisso.

    Nossos especialistas em fertilidade estão preparados para montar junto com você um plano com várias dicas e recomendações que podem ser implementadas com facilidade, tudo embasado cientificamente, com evidências comprovadas. Vamos descobrir esse novo caminho juntas?

    ABC da Fertilidade: Estamos esperando cada vez mais tempo para ter filhos, mas muitas pessoas tomam essa decisão no escuro, sem levar em conta os seus níveis de fertilidade, o que aumenta as chances de se deparar com algum problema quando a decisão finalmente é tomada. A boa notícia é que existem alternativas menos drásticas e invasivas para contornar o quadro: hoje já temos pesquisas que mostram que mudanças na nutrição e no estilo de vida podem ajudar reduzir o risco de problemas de fertilidade e ovulação.

    Se você ainda não sabe se e quando quer ter filhos, tudo bem. Mas que tal começar a se cuidar agora para poder escolher lá na frente?

    Para ler

    Em seguida