DIP: Doença Inflamatória Pélvica

RECEBA NOSSOS PRÓXIMOS
CONTEÚDOS EXCLUSIVOS:

    Compartilhe este post

    Share on facebook
    Share on twitter
    Share on linkedin
    Share on whatsapp

    As causas de infertilidade podem ser identificadas na maioria dos casos, porém nem sempre é fácil concluir o diagnóstico. Cerca de 10 a 30% dos casos de infertilidade possuem mais de uma causa ou são apenas “desconhecidas”.

    A Doença Inflamatória Pélvica (DIP) é a principal causa de infertilidade feminina no mundo. Hoje, com a diminuição das distâncias e facilidades da língua, recebemos muitos casais angolanos com uma endemia de DIP. A DIP abrange uma série de infecções causadas por variados agentes que afetam, principalmente, os órgãos reprodutivos, mas também apêndice e partes do intestino junto à área pélvica. Os locais de infecção que mais causam infertilidade são as trompas de falópio, em um quadro específico chamado salpingite.

    As principais causas de DIP são variadas:

    – A Chlamydia Trachomatis causa infecção nas trompas de falópio, sendo responsável por 75% da infertilidade;

    – A gonorreia é responsável pela maioria dos demais casos;

    – Tuberculose pélvica (problema global crescente diante do aumento de casos de HIV e tratamento incompleto);

    – Abortos com instrumentos não esterilizados;

    – Apendicite;

    – Vírus da herpes (considerado em alguns casos, mas não confirmado como causa).

    A infecção pode ser subclínica (não apresenta nenhum sintoma) ou apresentar febre, abatimento ou dor pélvica indicando inflamação de toda a área pélvica. Muitas mulheres com Chlamydia não percebem ou não têm sintomas causadores de danos importantes às trompas.

    Episódios graves ou frequentes de DIP podem causar, eventualmente, feridas, formação de abscessos e danos nas trompas, o que causa infertilidade. Cerca de 20% das mulheres que desenvolvem DIP sintomática se tornam inférteis. A DIP também aumenta significativamente o risco de gravidez ectópica (fecundação nas trompas de falópio). A gravidade da infecção – e não o número delas – parece representar maior risco de infertilidade. Na maioria dos casos, a cirurgia não resolve e o único caminho é a fertilização in vitro (FIV).

    Dr. Vamberto Maia Filho, médico especialista em reprodução assistida do Grupo Huntington

    Para ler

    Em seguida