Infertilidade causada por tratamentos oncológicos também deve ser lembrada no Dia Nacional de Combate ao Câncer

Médicos e pacientes devem conversar sobre efeitos da radioterapia e quimioterapia na fertilidade

O dia 27 de Novembro é o Dia Nacional de Combate ao Câncer e deve conscientizar sobre os cuidados para prevenção e tratamento da doença. O que nem todos os pacientes sabem, no entanto, é que a fertilidade também pode ser comprometida pelos medicamentos, pela quimioterapia ou pela radioterapia. Esse é o alerta que faz o Grupo Huntington Medicina Reprodutiva que, além de ressaltar a necessidade da prevenção do câncer, pede pela preservação da fertilidade dos pacientes antes do tratamento, com o objetivo de, posteriormente, poderem ter filhos sem nenhum problema.

 “Os oncologistas devem avisar que o tratamento pode causar a perda do potencial reprodutivo. Assim, a pessoa pode fazer a escolha de preservar ou não os gametas ou embriões”, diz o Dr. Maurício Chehin, médico especialista em preservação da fertilidade em pacientes oncológicos do Grupo Huntington. Procedimentos como a quimioterapia e radioterapia atingem diretamente as células germinativas, aquelas que dão origem a óvulos e espermatozoides e, a depender da frequência e intensidade do tratamento, podem ocasionar na perda do total das funções reprodutivas.

O Dia 27 de Novembro também faz lembrar que, embora a população mundial tenha registrado um aumento na incidência dos casos de câncer, os avanços da medicina já permitem a detecção de muitas dessas doenças em fase precoce. “Se o paciente descobre o câncer em sua fase inicial, é provável que suas chances de cura sejam bem sucedidas. Quando a pessoa manifesta o problema em idade reprodutiva e pensa em ter filhos futuramente, é muito aconselhável que preserve sua fertilidade através do congelamento de células”, diz Dr. Maurício.

Flávia Flores, idealizadora e escritora do blog Quimioterapia e Beleza, soube do câncer de mama em Outubro de 2012, iniciou o tratamento oncológico, mas não foi informada por seu médico que o processo poderia lhe impedir de ter filhos. “Para minha sorte já tinha um filho, mas penso nas muitas pessoas que, por um simples deslize, podem ter esse sonho comprometido mesmo após a cura da doença. O Dia Nacional de Combate ao Câncer é momento de reflexão e de lembrar de ter o máximo de cuidado em todos os aspectos. Assim podemos criar novas perspectivas para a vida, sem desanimar e sonhar com um amanhã mais leve”, aconselha Flávia.

Sobre o Grupo Huntington

Criada em 1995, a Huntington Medicina Reprodutiva é um dos maiores grupos do Brasil, com cinco unidades instaladas em São Paulo e uma nova unidade em Campinas. Sob a direção de Paulo Serafini e Eduardo Motta, renomados especialistas na área, o grupo é referência nacional e internacional em tratamentos para fertilidade. A Huntington possui corpo médico e técnico-científico altamente capacitado, que se destaca na prática clínica, cirúrgica e tecnológica. Os principais tratamentos utilizados atualmente são: Inseminação Artificial, Fertilização in Vitro, além de técnicas de reversão de vasectomia e de laqueadura, entre outras. Visite www.huntington.com.br