Mioma

O que é?

Conhecido também como fibroma, o mioma é um tumor benigno que se desenvolve devido ao crescimento anômalo de células do próprio músculo uterino com a forma de nódulo e é muito comum na população feminina, entre 30 a 50 anos.

Eles são classificados de acordo com a sua localização:

Submucoso: esse é o tipo menos frequente, localizado na parte mais interna do útero, junto ao endométrio, pode causar sangramentos intensos atrapalhando na implantação do óvulo fecundado ou bloqueando o caminho dos espermatozoides até as trompas.

Intramural: é o tipo mais frequente, que fica localizado na parede muscular do útero, causando cólicas menstruais, fortes sangramentos, sensação de peso no baixo ventre e dores ocasionadas por uma possível compressão de órgãos próximos ao útero. Por ter tendência a crescer significativamente ele é propenso a danificar o útero.

Subserosos: localizado na parede uterina, porém, junto ao revestimento externo, apesar de apresentar menos sintomas, se crescer demais ele pode até comprimir o intestino e a bexiga causando dores abdominais.
Pediculado: ele se desenvolve para o lado externo do útero e em geral fica pendurado após seu aumento de tamanho. Em geral ele não gera sintomas, mas pode causar peso no ventre e desconforto.

Sintomas e Diagnóstico

Alguns dos sintomas mais comuns são: sangramento intenso durante a menstruação, fortes cólicas, urgência de urinar, dor abaixo do umbigo ou sensação de pressão na região e dor durante a relação sexual. Porém, a ausência de sintomas também é comum.

O mioma costuma ser descoberto por meio de exames clínicos ou de imagem, como a ultrassonografia transvaginal ou a ressonância magnética da pelve. Embora ainda não se saiba ao certo o que causa o seu aparecimento, os médicos reconhecem uma estreita relação entre o desenvolvimento do tumor e o aumento dos hormônios femininos estrogênio e progesterona. Por isso, é comum que o mioma aumente de tamanho durante a gravidez e reduza na menopausa. Além, disso, mulheres obesas tem predisposição ao aparecimento de miomas.

Tratamento

O tratamento será definido de acordo com a avaliação do médico, considerando tamanho, número de miomas, gravidade dos sintomas, idade e planos futuros da mulher. Existem duas formas de tratamento: cuidar apenas dos sintomas ou do próprio mioma.

Para os sintomas normalmente são utilizados suplementos de ferro para os casos de anemia, pílulas anticoncepcionais, anti-inflamatórios e antifibrinolíticos ou dispositivos intrauterinos em casos de fluxos menstruais intensos e analgésicos para as dores.

Já na atuação de combate ao mioma, existem três formas: a histerectomia (retirada do útero), a miomectomia (retirada dos miomas) ou a embolização (redução dos miomas).
De todas as opções, a miomectomia é a melhor opção para as mulheres que ainda pretendem engravidar. Ela é realizada por laparoscopia, onde são realizados pequenos cortes na região abdominal que permitem a inserção de uma microcâmera e dos demais instrumentos que cortam, retiram o fibroma e dão pontos na parede do útero.

Mioma e Fertilidade

Numa proporção muito pequena, o mioma pode causar infertilidade devido ao seu tamanho e/ou localização, que podem deformar a cavidade endometrial. Os miomas submucosos, por exemplo, aumentam as chances de abortamento em repetição.

Às vezes os miomas são tão pequenos que não impedem a gestação e nem aumentam o risco de abortamento ou prejuízo à gestação, pois não atrapalham em absolutamente nada e não provocam sintomas, necessitando apenas de um tratamento expectante, ou seja, que se limita a observar a evolução do quadro.